Dois cândido-motenses morrem em acidentes registrados em SP e CM no final de sem

 

Acidentes registrados neste final de semana na região da grande São Paulo e em Cândido Mota resultaram na morte de dois cândido-motenses. André Rodrigues Garcia, de 22 anos, morador da Vila São Judas, morreu em uma colisão traseira com um veículo não identificado na rodovia Francisco Gabriel da Mota, que liga ao distrito de Nova Alexandria, neste sábado, dia 5. Em Osasco, o motorista Carlos Donizete da Silva - conhecido carinhosamente por Carlinhos, de 49 anos morreu após capotar o caminhão que conduzia, ao tentar desviar de um carro, na rodovia Castelo Branco, que havia freado bruscamente.
O sepultamento de ambos aconteceu neste domingo, dia 6, no cemitério municipal de Cândido Mota, e foi marcado por muita comoção por parte dos amigos e familiares das vítimas.
Colisão traseira em CM
Por volta das 12h30, André trafegava pela via no sentido Cândido Mota ao distrito de Nova Alexandria, quando na altura do km 435 acabou chocando-se contra a traseira de um veículo não identificado. Testemunhas disseram que se tratava de um Gol ou Parati, mas o condutor se evadiu do local. O jovem chegou a ser socorrido pela equipe de Resgate do corpo de Bombeiros até o Pronto Socorro de Assis, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu. Seu corpo foi sepultado às 16h30.
Ele morava na rua Assad Chadi. Ele era filho de Lourdes Soares Garcia e Jonas Rodrigues Garcia. Deixou os irmãos Adriano e Adriana.
Capotamento em Osasco
Carlinhos faleceu na madrugada de sábado, dia 5, quando ao tentar desviar de um carro que freou bruscamente à sua frente, na tentativa de evitar que pessoas se ferissem, perdeu o controle do caminhão, vindo a capotar o caminhão Mercedes Benz, na altura do km 14. A cabine ficou totalmente destruída. O caminhão estava carregado de tintas, pois segundo informações de uma amiga da família, ele havia ido fazer uma entrega em São Paulo e como era de costume, para não voltar com a carreta vazia, aproveitava para fazer outras entregas. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Durante seu sepultamento que aconteceu às 10h30, de domingo, e contou com a presença de centenas de pessoas, entre amigos, familiares, e colegas de trabalho, Patrícia Alves da Silva uma de suas filhas, fez um discurso de despedida do pai e convidou todos a rezar por ele. Emocionada disse: “Vou levar comigo a imagem de momentos bons que vivemos e isso também peço a vocês. Agradeço por tudo o que ele fez por nós, sendo um grande pai que fez de tudo para nos educar. Aconselho a todos vocês, que assim como meu pai trabalham como motoristas, que tenham cuidado para não se envolverem em acidentes. Ele sempre foi e será um heroi para mim, por isso, peço uma salva de palmas para o meu heroi”, falou a filha.
Carlinhos deixou a esposa Maria Aparecida Alves de Oliveira Silva, com quem era casado há mais de 25 anos, e além de Patrícia, mais dois filhos Junior e Fernando. Ele residia no Jardim Santa Lúcia.